sábado, 3 de janeiro de 2015

HISTÓRIA PROJETO KAYAPÓ - DARRELL ADDISON POSEY - (14/03/1947 a 06/03/2001)


“HISTÓRIA – PROJETO KAYAPÓ

Etnobiologia – Etnociência - Etnoecologia

ALDEIA KAYAPÓ -1
ALDEIA KAYAPÓ

Cacique Raoni (Raoni Metuktire)- Kayapó -82 anos-2
Cacique Raoni (Raoni Metuktire)- Kayapó -82 anos

Conhecido mundialmente por sua luta em defesa da Amazônia, Raoni defende comunidades que podem ser prejudicadas pela construção da Hidrelétrica de Belo Monte. 

Cerimônia Fogo Sagrado - Kayapó -3
Atividades Produtivas Kayapó - 8










Título Cidadão Honorário de Paris - Cacique Raoni - 6
Título Cidadão Honorário de Paris - Cacique Raoni

Produção Farinha Mandioca - Kayapó - 4
Livro - Kayapó - 7











 Produção Farinha Mandioca - Kayapó





Darrell Addison Posey (14/03/1947 a 06/03/2001)

Foi um americano antropólogo e biólogo que dinamizou o estudo do conhecimento tradicional das populações indígenas e populares no Brasil e em outros países.



Darrell Addison Posey - (1947-2001) - 9

Ele inovou sua abordagem de etnobiologia e pesquisa combinada com respeito por outras culturas, especialmente de propriedade intelectual dos indígenas e seus direitos.

Um obituário descreveu-o como um "antropólogo que desistiu do desapego acadêmico para lutar pelos direitos dos povos indígenas".

Ele nunca se casou e foi socorrido por seus pais e irmão.

Ele morreu de um tumor cerebral, aos 53 anos de idade, em Oxford, Inglaterra, onde fez sua casa depois de 1992.

Início da Vida 

Darrell A. Posey nasceu em 14 de março de 1947, filho de Henry e Pearl Posey, na zona rural de Henderson, Kentucky.

Desde tenra idade, ele era um membro da Igreja Anglicana.

Educado em Henderson County High School, ele tinha um professor de biologia, Mr. Ned Barra, que encorajou seu interesse em insetos.


Os Estudos Universitários 

Em 1970, Posey formou-se como Bacharel em Entomologia, pela Universidade do Estado de Louisiana, Baton Rouge, Louisiana. 

Ele obteve um mestrado em Antropologia, em 1974, também na Universidade do Estado de Louisiana, com a tese A Liquidação Fifth Ward: A Racial Grupo Marginal Tri

Ele obteve um Ph.D. em Antropologia, em 1979, na Universidade de Georgia, Athens, Georgia, com a tese Ethnoentomology do Gorotire Kayapó do Brasil Central.

A Interrupção de Posey de entomologia para a antropologia foi devido à sua amizade com o professor de antropologia William G. Haag na Louisiana State University.

Isto é explicado em um memorial por Posey.

Mesmo depois de sua mudança para a antropologia, Posey não cortou seus laços com a entomologia.

Na Universidade da Geórgia, ele era um colaborador próximo do professor de entomologia Murray S. Blum.

Anos depois, ele continuou a pesquisar a etnobiologia de insetos, um campo que denominou " ethnoentomology "em sua tese de doutorado 1979.


Estudos Kayapó 

Chegando ao Brasil em 1976, Posey fez amizades duradouras com os pesquisadores do Museu Paraense Emílio Goeldi, em Belém, e do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, em Manaus.

Depois de seus estudos de pós-graduação, Posey voltou ao Brasil em 1982, como professor do Departamento de Biologia da Universidade Federal do Maranhão, em São Luís, em seguida o reorganizou sob a presidência do geneticista Dr. Warwick E. Kerr.

Ele montou um projeto de pesquisa interdisciplinar etnobiológico, chamado Projeto Kayapó, que acabaria por envolver mais de 30 especialistas em áreas como agronomia, botânica, entomologia, genética de plantas, astronomia, ciências do solo, geografia humana, antropologia e lingüística.

Para documentar o amplo conhecimento biológico tradicional dos índios Kayapó, Posey e colaboradores passou meses no campo com especialistas Kayapó, como chefes de UTE, Toto-i, Kanhunk e Paiakan.

Pajés Beptopup e Kwyre-ka também ofereceram sua experiência.

Muitas conferências com participantes do projeto científico e indígenas serviu para divulgar os resultados do projeto, especialmente em conclaves científicos brasileiros.

O Projeto Kayapó continuou quando Posey foi realocado em 1986 para o Museu Goeldi, em Belém, Brasil, a convite do diretor do museu Dr. Guilherme M. de La Penha.

Em 1988, ele organizou o Primeiro Congresso Internacional de Etnobiologia, em Belém, durante o qual o Projeto Kayapó e os seus resultados foram destacados.

Pesquisa Etnobiológica 

Embora o termo "etnobiologia" tinha sido usado no passado para uma idéia diferente, Posey adotou este para seu estudo do conhecimento indígena e popular sobre plantas, animais e ecossistemas.

Para designar outras áreas do conhecimento indígena e popular, o termo " etnociência "pode ​​ser usado de uma maneira análoga.

No passado, a antropologia tinha sido casada com biologia na união profana de determinismo biológico, em que homem é tratado totalmente sem cultura ou a capacidade de aprender.

Posey repudiava este ponto de vista e se atreveu a ver as sociedades indígenas e populares, como os herdeiros de um vasto corpus de conhecimento útil para a utilização e gestão sustentável dos recursos naturais.

Como pode ser visto em sua revisão de best-sellers do diamante Armas, Germes e Aço: Os Destinos das Sociedades Humanas, em 1999, Posey teria colocado o determinismo biológico para descansar.

Afinal de contas, onde se pode encontrar grupos humanos sem cultura?

Conceito de Posey 

Para etnobiologia e para ser científico, hipóteses testáveis ​​são geradas a partir de informações oferecidas pelos informantes indígenas e populares.

O filtro emic-etic tem que ser respeitado, e uma decodificação dos conhecimentos tradicionais é necessário para colmatar as duas culturas.

Métodos de Pesquisa de Campo 

Observação participante no campo com as comunidades indígenas e tradicionais sempre foi parte do plano de trabalho de Posey.

Entrevistas com informantes foram sempre desestruturadas e conduzidas de acordo com os métodos generativos, especificamente projetados para não se extrair informações oferecidas em apoio a preconceitos percebidos dos pesquisadores.

Exemplos de Trabalho de Posey 

Será que os índios Kayapós irão gerar os seus recursos naturais?

Será que eles vão plantar ilhas de floresta em savana?

Será que eles reconhecem zonas ecológicas e sabem quais os recursos podem ser encontrados em cada um?

É sua agricultura sustentável?

Sua caça?

E sobre seus medicamentos? Será que eles sabem que constituem uma ciência?

Ativismo 

Em seu ativismo, Posey em incorridas oposições não só de quem iria explorar os recursos naturais pertencentes aos índios, mas também de cientistas e acadêmicos que estavam insensíveis em desprezo pela propriedade intelectual indígena de direito.

Uma revista semanal brasileira, a Veja, a que se refere a ele como um "gigolô dos índios" por sua defesa dos direitos humanos e civis índios.

Terras Indígenas

O apoio da Posey para os povos indígenas o colocou em conflito com o governo brasileiro em 1987, quando Paiakan e Kube-l, dois jovens líderes Kayapó o acompanharam em Washington, DC, e queixaram-se do Banco Mundial e funcionários de uma barragem hidrelétrica planejada, que iria inundar as terras indígenas do Rio Xingú.

A ameaça de processo criminal do governo federal contra Posey e os chefes kayapó, por interferir na política externa brasileira, provocou um clamor público, tanto no Brasil quanto no exterior.

Em fevereiro de 1989, Darrell ajudou a organizar o "I Encontro dos Povos Indígenas do Xingu", a primeira reunião conjunta das tribos amazônicas para protestar contra a destruição da floresta, em Altamira, Pará.

Este evento foi focado em instalações de represas hidrelétricas no rio Xingu e que seriam esses projetos ecologicamente desastrosos para a região, e que pelo menos fossem reformulados.

Em 2008, no entanto, esses projetos de uma vez descartados estão novamente sendo proposto pelo governo brasileiro, com a embalagem um pouco diferente.

Em 1992, Posey foi o principal organizador do Terra, um evento paralelo à Organização das Nações Unidas " Rio de Janeiro Conferência sobre o Meio Ambiente (Rio Cúpula da Terra), voltado para a valorização do conhecimento e dos direitos indígenas. 

O Parlamento Terra era um conjunto de 15 líderes dos grupos indígenas e das minorias, realizadas durante a Cúpula da Terra de 1992.


A Conservação da Biodiversidade 

Para Posey, o conhecimento indígena era a chave para o uso sustentável dos recursos bióticos naturais. Principal.

Direitos de Propriedade Intelectual Indígena

Como direitos coletivos à terra, índios e outras sociedades tradicionais têm direitos coletivos de propriedade intelectual (DPI) para o seu conhecimento.

Posey defendeu a causa dos direitos de propriedade intelectual indígena e populares durante a última década de sua vida.

Bioética da Etnobiologia 

A sociedade ocidental se apropriou do conhecimento indígena e tradicional, sem recompensação ou mesmo reconhecimento.

Posey questionou se a investigação científica, até mesmo do tipo mais desinteressado, pode não levar à violação dos direitos de propriedade intelectual indígenas ou bio-pirataria.

Declaração de Belém

Durante a 19-24 julho de 1988 Congresso Internacional de Etnobiologia, organizado por Posey em Belém, o seguinte documento foi aprovado.

"Declaração de Belém"

Principais antropólogos, biólogos, químicos, sociólogos e representantes de diversas populações indígenas se reuniram em discutir preocupações comuns no Primeiro Congresso Internacional de Etnobiologia e fundar a Sociedade Internacional de etnobiologia.

As principais preocupações expressas pelos contribuintes da conferência foram o estudo das formas que as populações indígenas e rurais percebiam exclusivamente em utilizar e gerir os seus recursos naturais e do desenvolvimento de programas que garantam a preservação da diversidade biológica e cultural vital.

Esta declaração foi articulada.


Como Ethnobiologists, estamos alarmados que:

As florestas tropicais e outros ecossistemas frágeis estão desaparecendo;
Muitas espécies, tanto vegetal como animal, estão ameaçadas de extinção;
As culturas indígenas ao redor do mundo estão sendo interrompidos e destruídos.

Que as condições econômicas, agrícolas e de saúde das pessoas são dependentes desses recursos;

Que as pessoas nativas têm sido mordomos de 95% dos recursos genéticos do mundo.

E que existe um vínculo indissolúvel entre a diversidade cultural e biológica.

Nós, membros da Sociedade Internacional de Etnobiologia recomendamos vivamente AÇÕES NO SEGUINTE:

A partir de agora, uma proporção substancial da ajuda ao desenvolvimento deve ser coberto para os esforços destinados a um inventário etnobiological, conservação e programas de gestão;

Sejam estabelecidos mecanismos pelos quais os especialistas indígenas são reconhecidos como autoridades competentes, e sejam consultados em todos os programas que lhes diga respeito, aos seus recursos, e seus ambientes;

Todos os outros direitos humanos inalienáveis ​​devem ser reconhecidos e garantidos, incluindo a identidade cultural e linguística;

Os procedimentos devem ser desenvolvidos para compensar os povos nativos para a utilização de seus conhecimentos e seus recursos biológicos;

Os programas educacionais devem ser implementados para alertar a comunidade global para o valor do conhecimento etnobiológico para o bem-estar humano;

Todos os programas médicos incluam o reconhecimento e respeito dos curandeiros tradicionais e da incorporação de práticas de saúde tradicionais que melhoram o estado de saúde dessas populações;

Ethnobiologistas disponibilizem os resultados de suas pesquisas para os povos indígenas com os quais eles têm trabalhado, especialmente incluindo a difusão na língua nativa;

A troca de informações deve ser promovida entre os povos indígenas e rurais em relação a conservação, gestão e utilização sustentável dos recursos ".

Belém, Brasil, julho 1988

Legado 

Posey era um pesquisador pleno ("Pesquisador Titular") para o Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia no Museu Goeldi, Belém, Brasil.

Foi Diretor do Programa de Direitos de Recursos Tradicionais do Centro de Oxford para o Meio Ambiente, Ética e Sociedade e um companheiro de Linacre na faculdade, na Universidade de Oxford. 

Ele foi presidente fundador da Sociedade Internacional de Etnobiologia e foi presidente da Coalizão Global para a Diversidade Bio-Cultural, sob cujos auspícios fundou o Grupo de Trabalho sobre Direitos de Recursos Tradicionais, que coordenou.

Ele foi o primeiro a receber o Sierra Club’s Chico Mendes Award para Outstanding bravura em Defesa do Meio Ambiente ", e em 1993 ele recebeu o United Nations Global 500 Award para "Outstanding Achievement em serviço com o Meio Ambiente."

Ele tinha poucos alunos formais no Brasil ou em outro lugar, mas o seu impacto como um professor é lembrado por muitos que mais tarde se tornaram etnobiologistas.

Ele apresentou várias palestras no Brasil e em outros países, e seu trabalho foi destaque em vários filmes e vídeos.

A Sociedade Internacional de Etnobiologia (ISEB) criou o "Darrel Posey Fellowship", a fim de "promover a compreensão da relação complexa e dinâmica das pessoas com o meio ambiente, e suporte aos povos indígenas e as comunidades locais que trabalham para gerir de forma sustentável, direitos de segurança para, seus ambientes e recursos.

A comunhão Darrell Posey para Etnoecologia e de recursos tradicional direitos foi lançado em 2004 com uma subvenção do Fundo Christensen, e é administrado pela Sociedade Internacional de Etnobiologia, dos quais Darrell Posey foi um dos fundadores”.

Em junho/2008, O 11º Congresso Internacional de Etnobiologia em Cusco, Peru, irá explorar explicitamente o legado Darrell A. Posey em uma sessão intitulada "Etnobiologia e Direitos de Recursos Tradicionais: “O legado de Darrell Posey".

Esta sessão vai comemorar muitas contribuições e influências de Darrell Posey no campo da Etnobiologia ao longo das últimas décadas, tanto direta quanto indireta.

Quando os cientistas ocidentais e outros acadêmicos ouvirem respeitosamente e aprenderem aos pés de líderes indígenas e tradicionais, o legado de Posey vai se tornar realidade.

Filmes e Vídeos 

1986 segmento especial, Today Show / NBC (EUA) em Kayapó indiano Gestão de Recursos Naturais; Lisa Freed, produtor.

1987 Ciência dos Mebengokre, 2 - vídeo parte no conhecimento dos índios Kayapó etnobiológico; feito com GLOBO TV para "Globo Ciência" (Brasil); Marcia Sanchez, produtor.

1988 Alternativos contra Destruição, 2 - parte da série para a TV Manchete (Brasil) em Kayapó gestão dos recursos naturais; feito para "Estação Ciência"; Ricardo Monte Rosa, produtor.

1988 Sem Fronteiras, documentário feito para a Organização das Nações Unidas sobre os povos indígenas; CNN Productions (EUA); Barbara Pyle, produtor.

1988 selva Farmácia, documentário feito para a televisão Confiança do Meio Ambiente, TV Central (Grã-Bretanha) em plantas medicinais utilizadas por povos nativos; Herbert Girardet, produtor.

1989 Encontro Xingu, um documentário sobre o Primeiro Encontro de Povos Indígenas na Amazônia, Floresta Films. Neville d'Almeida Diretor; DA Posey, texto e narração.

1990 Kayapó Conhecimento e o Futuro da Amazônia, um documentário sobre as atividades educacionais e aspectos do projeto de pesquisa etnobiológico com os índios Kayapó, De Campos Produções, Belém, Pará;

1990 Altamira e Depois, um documentário do Encontro de Altamira e as atividades subsequentes dos grupos indígenas da Amazônia em defesa de suas terras e recursos nativos, De Campos Produções, Belém, Pará;

1990 Será que a Yanomami sobreviverá? De Campos Produções, Belém, Pará;
1991 O Instituto de Ethnobiology da Amazônia - INEA, um documentário sobre a pesquisa etnobiológico aplicada no instituto com sede em Belém; De Campos Produções, Belém, Pará;

1991 Produtos Naturais e verde Consumismo, um filme sobre "vender a floresta tropical" e os problemas que resultam; De Campos Produções, Belém, Pará;

1991 Carta aos Kayapós, um filme sobre os perigos da exploração madeireira para os povos indígenas e, principalmente, os Kayapó; Pegada Films, de Londres; assessor técnico.

1992 O Parlamento da Terra, filme promocional sobre o encontro indígena para UNCED 92, no Rio de Janeiro; Pé Films Print, Londres; co-produção.

1992 Conhecimento Amazônia, um documentário sobre a importância do conhecimento tradicional indígena dos índios amazônicos, EMA Produções, Brasília, DF, Brasil;

1997 Os Kayapó: 5 anos após a Cúpula da Terra, produção de documentários CNN (como conselheiro científico e assistente técnico).

Livros e Volumes Editados 


Livro - Darrell Addison Posey - Human Impacts on Amazonia - 12
Livro - Darrell Addison Posey - 11

Livro - Darrell Addison Posey - 10
Livro - Darrell Addison Posey - Anthropology - 12


















Livro Darrell Addison Posey - Anthropology

Posey, DA, et al. (1987)Alternativas à Destruição: Ciência dos Mebengokre [Kayapó]. Belém, Brasil.

Posey, DA, e Balée, WL (Eds.). (1989)Gestão de Recursos na Amazônia: Indígenas e Estratégias Folk. (Avanços em Botânica Econômica, 7). Jardim Botânico de Nova York Press: New York.

Posey, DA, & Overal, WL (Eds.). (1990) Ethnobiology: implicações e aplicações. Anais do Primeiro Congresso Internacional de Etnobiologia, 1988 Belém, Brasil.

Posey, DA (1995)Os povos indígenas e direitos de recursos tradicionais: a base para relações eqüitativas? Oxford: Centre College Green de Política e conscientização ambiental.

Posey, DA, Argumedo, A., da Costa e Silva, E., Dutfield, G., & Plenderleith, K. (1995)Os povos indígenas, as tecnologias tradicionais e partilha equitativa: instrumentos internacionais de proteção da propriedade intelectual, da comunidade, de direitos e de recursos tradicionais. Gland, Suíça: União Internacional para a Conservação da Natureza.

Posey, DA (1996). Equitativa dos Benefícios: Instrumento Internacional para a Proteção de Propriedade Intelectual e Comunidade Direitos de recursos tradicionais. Haia: União Internacional para a Conservação da Natureza / UNA, Livros International.

Posey, DA (1996)Provisões e mecanismos da Convenção sobre Diversidade Biológica para Acesso às Tecnologias Tradicionais e Repartição de Benefícios para comunidades indígenas e locais que envolvam O Tradicional Estilo de Vida.

 Martin, GA, Hoare, AL, & Posey, DA (Eds.). (1996)Fontes de Aplicação Etnobotânica de Conservação e Desenvolvimento da Comunidade: Pessoas e Plantas HandbookParis: UNESCO, WWF & Kew Botanical Gardens.

Pei Shengji, Su Yong-ge, Long Chun-lin, Marr, K., & Posey, DA (Eds.). (1996)Os desafios da Etnobiologia no Século 21: Anais do II Congresso Internacional de Etnobiologia. Kunming, China: Yunnan Ciência e Tecnologia Press.

Posey, DA, Dutfield, G., Plenderleith, K., da Costa e Silva, E., & Argumedo, A. (1996)Direitos de Recursos Tradicionais: Instrumentos Internacionais de Proteção e Remuneração para os Povos Indígenas e Comunidades Locais. União Internacional para a Conservação da Natureza: Gland.

Posey, DA, e Dutfield, G. (1996)Além da Propriedade Intelectual: Rumo Direitos de Recursos Tradicionais dos Povos Indígenas e Comunidades Locais. Ottawa: Centro de Pesquisa para o Desenvolvimento Internacional.

Posey, DA, e Dutfield, G. (1997)Os povos indígenas e sustentabilidade: casos e ações. Utrecht: União Internacional para a Conservação da Natureza e livros internacionais.

Posey, DA (Ed.). (1999)Os valores culturais e espirituais da biodiversidade. Londres: Programa das Nações Unidas para Meio Ambiente & Intermediate Publicações de Tecnologia.

Posey, DA (2002)Kayapó Etnoecologia e CulturaNew York: Routledge.

Posey, DA, e Vertovec, SA (Eds.). (2003)A globalização, globalismo, Ambientes e Ambientalismo: Consciência de Conexões (Os Linacre Palestras).

Oxford & New York: Oxford University Posey, DA (2004)Conhecimento Indígena e Ética: Um Darrell Posey leitor. New York: Routledge.


Posey, DA, e Balick, MJ (Eds.) - (2006) Impactos Humanos na Amazônia: o papel do conhecimento ecológico tradicional em Conservação e Desenvolvimento. New York: Columbia University.